“Portanto, se existe alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há profundo afeto e sentimento de compaixão, então completem a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor e sendo unidos de alma e mente. Não façam nada por interesse pessoal ou vaidade, mas por humildade, cada um considerando os outros superiores a si mesmo, não tendo em vista somente os seus próprios interesses, mas também os dos outros.” (Filipenses 2.1 – 4)

Você, provavelmente, já entrou em algum debate no qual defendeu o seu próprio interesse; ou defendeu uma ideia; ou defendeu uma frente partidária. E na maioria das vezes, você pensou que somente a sua opinião é a única válida, e dessa maneira, como se fosse algo cíclico, expõe todos os seus argumentos, ouve as opiniões contrárias as suas e, logo em seguida, as rebate com o objetivo de que o seu pensamento se torne o “vencedor”.

Nós vivemos em uma sociedade, onde, qualquer opinião que seja contrária à outra, se torna motivo para um debate e até mesmo a divisão, seja ela política, teológico, ideais de vida, tendências sociais.

Este pequeno trecho, da carta que Paulo escreve para a igreja em Filípos, capítulo 2, nos revela que essas divergências pessoais, inclusive as que acontecem na igreja, não são acontecimentos modernos. Elas também aconteciam na época do apóstolo, e ele quer nos alertar para não cometermos os mesmos erros dos Filipenses.

Apesar de todos terem conceitos de vida, questões morais e opiniões políticas diferentes, Paulo nos mostra, de uma forma muito simples, que somos um corpo da Igreja; somos um só, com um único ideal, que é Cristo. E assim, não deveríamos deixar as opiniões arbitrárias e divergentes causarem intrigas e separações dos grupos. Precisamos voltar a essência de humildade, mantendo as nossas opiniões e percepções do mundo, mas aprendendo a escutar a pessoa do lado, não deixando as diferenças romperem o objetivo da igreja, que é a união.

Todo debate é um aprendizado de vida, e válido, mas não deixe que isso permita que você crie problemas dentro da nossa unidade.

Precisamos respeitar todas as opiniões, aprender a viver em divergências, e, principalmente, a pensar no outro antes de si mesmo, vivendo em amor, que é a essência da unidade do corpo de Cristo. Pare e pense, será que os debates que tenho vivido, tem criado uma barreira entre mim e as pessoas?  “Completai a minha alegria, de modo que pensais, a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejamos unidos de alma, tendo o mesmo sentimento”

Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões, completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. (Filipenses 2:1‭-‬4)

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS