As congregações teologicamente liberais não são ameaçadas por restrições à liberdade religiosa porque se renderam à cultura americana, de acordo com o Presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, Albert Mohler Jr.

Falando no Western Conservative Summit em Denver, Colorado, no início deste mês , Mohler falou sobre as ameaças à liberdade religiosa nos Estados Unidos.

Durante suas observações, Mohler declarou que acreditava que “o grande desafio à liberdade religiosa em nossos tempos” não é “uma ameaça à religião liberal”.

“Essas igrejas e denominações há muito tempo se renderam aos revolucionários morais e eles simplesmente não acreditam em nada suficientemente bíblico ou teológico para colocar algum deles em apuros”, explicou Mohler.

“Eles podem se dar ao luxo de colocar aspas em torno da liberdade religiosa porque já colocaram aspas em torno de Deus”.

Mohler acrescentou que acredita que os cristãos “devem defender o direito de acreditar em teologia suficiente para nos causar problemas e nos colocar em apuros com qualquer pessoa, em qualquer lugar de uma era secular”.

O proeminente evangélico também falou sobre as três palavras que ele acreditava serem “essenciais” para preservar a liberdade religiosa: Deus, verdade e liberdade, “e nessa ordem”.

“Não pode haver defesa duradoura da liberdade religiosa sem entender como essas três palavras se mantêm juntas e em que ordem”, disse Mohler.

Ele começou com Deus, apontando que a Declaração da Independência falava das “Leis da Natureza e do Deus da Natureza”, e notando que os fundadores apelavam para “uma autoridade superior a eles mesmos”.

“Quando a crença em Deus recua, a única base segura dos direitos humanos e da dignidade humana também recua”, argumentou Mohler. “Os direitos naturais não podem sobreviver sem entender que os direitos naturais têm uma origem sobrenatural”.

A verdade também aparece com destaque na Declaração da Independência. O líder batista do sul disse que ignorar a realidade objetiva prejudica o corpo político.

Quanto à liberdade, é obrigação do governo “garantir” os direitos, não “inventá-los” ou “concedê-los”, argumentou.

O Western Conservative Summit foi patrocinado pelo Instituto Centenário da Universidade Cristã do Colorado e realizado de 12 a 13 de julho no Colorado Convention Center.

Além de Mohler, outros palestrantes notáveis ​​da cúpula incluíram o Dr. Ben Carson, secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano; O congressista Dan Crenshaw, do Texas; Abby Johnson, ex-funcionária da clínica da Planned Parenthood, tornou-se ativista pró-vida; apresentador de talk show de rádio, Larry Elder; Dr. M. Zuhdi Jasser, fundador e presidente do American Islamic Forum for Democracy; e Kristen Wagoner, vice-presidente sênior da divisão legal dos EUA e comunicações com a Alliance Defending Freedom, entre outros.

Nos últimos anos, tem havido várias batalhas jurídicas centradas em objeções baseadas religiosamente para questões LGBT como casamentos do mesmo sexo e identidade transgênero.

Em 2018, a Suprema Corte dos Estados Unidos determinou 7 a 2 na Masterpiece Cakeshop contra a Comissão de Direitos Civis do Colorado que o Colorado errou ao punir um padeiro chamado Jack Phillips por se recusar a fazer um bolo de casamento gay por motivos religiosos.

Em abril, a Suprema Corte concordou em ouvir três casos envolvendo liberdade religiosa versus direitos LGBT. Entre eles estava RG & GR Harris Funeral Homes vs. Igual Employment Opportunity Commission , um caso em que uma casa funerária de propriedade cristã foi processada por demitir um indivíduo transexual que se recusou a aderir a um código de vestimenta para seu sexo biológico.

A questão nos casos é se as proteções contra discriminação “por sexo” na Lei dos Direitos Civis de 1964 incluem orientação sexual e identidade de gênero, mesmo que o ato não mencione nenhuma das duas categorias.

Por: Michael Gryboski , repórter do Christian Post

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS