A Bíblia ensina que santidade, é um atributo exclusivo de Deus, mas ao mesmo tempo chama homens e mulheres de santos. Por que? O que faz com que uma pessoa seja santa? É possível lutar contra nossos próprios desejos, controlar a nossa mente e não pensar em coisas que desagradam a Deus?

O que é ser santo?

Ser santo é ser perfeito, sem defeito algum, ser completamente justo, puro e totalmente separado do pecado, ou seja, um atributo exclusivo de Deus (Sl 99.9, 1Jo 1.5). Somente Deus é moralmente puro e perfeito (Sl 145.17, Mt 5.48, 2Sm 22.31). Inclusive, a principal forma utilizada, até mesmo por anjos, para adorar a Deus é chamá-lo de SANTO (Is 6.3, Ap 4.8).

Por que então a Bíblia consideraria alguns homens e mulheres como sendo santos? E ao contrário do que muitos pensam, esta condição de santo não se aplica somente aos grandes apóstolos ou aos nomes famosos da Bíblia, mas se refere à pessoas comuns, como eu e você (Cl 1.2, Ef 1.1, 1Pe 1.16).

Como um ser humano pode ser santo?

A questão é que por mais piedosa que uma pessoa seja, por mais obras de caridade que ela faça, ainda sim ela jamais alcançará o padrão de santidade exigido por Deus (Rm 3.10-12). Como é então que a Bíblia, ou seja, o próprio Deus, pode chamar alguém de santo?

A resposta é muito simples: Jesus Cristo (Jo 6.69, 2Co 5.21). A Bíblia ensina que receber Jesus Cristo significa ser considerado uma nova criatura (2Co 5.17, Jo 3.3, Jo 1.12-13), ser purificado e separado do pecado (Cl 1.14, 1Jo 3. 5-6), ser tirado do reino das trevas e transportado para o reino de Deus (Cl 1.13-14).

Santo é todo aquele que crê que Jesus é o Cristo (Jo 20.30-31, 1Jo 5.1), o Filho de Deus (1Jo 5.4.5). Crê na sua vida sem pecado (Hb 4.15, 1Pe 2.22), morte sem culpa (1Pe 3.18) e ressurreição dentre os mortos (Rm 10.9-10). Quando isso acontece, quando cremos, Cristo passa a habitar em nós (1Jo 4.13, Jo 14.23), e se Cristo vive em nós (Gl 2.20), somos santos (Ap 14.12). Não por mérito ou esforço próprio (Ef 2.8-9), mas por causa de Jesus Cristo (1Jo 2.12).

O santo e o pecado

Ser santo não significa dizer que a nossa natureza pecaminosa deixou de existir (1Jo 1.8), muito pelo contrário, é aí que realmente percebemos que tal natureza existe (Rm 7.18). O que acontece agora é uma luta contra o pecado que habita em nós (1Pe 2.11), para vivermos de acordo com a vontade de Deus revelada na Bíblia (Ef 5.17), ou seja, andar em santidade (1Ts 4.3). Ser santo é o que nos capacita a andar em santidade (1Jo 2.29, 1Jo 5.18-19).

O que a santidade não é

Contudo, nós precisamos separar o que é santidade, daquilo que só tem aparência de santidade.

Assim como os Fariseus na época de Jesus (Mt 23.25-28), ainda hoje muitas pessoas tentam demonstrar sua santidade através das roupas que vestem, das músicas que ouvem, dos programas que assistem e dos lugares que frequentam ou deixam de frequentar (Cl 2.20-23, Is 29.13). Porém, quem geralmente tenta demonstrar uma santidade através de usos e costumes acaba se esquecendo de que a santidade ensinada pela Bíblia não é algo para ser exibido e muito menos feito para se receber elogios (Mt 6.1). É algo para ser vivido em nosso particular com Deus (Rm 14.22, Ef 5.8-10), algo interior que nem sempre ficará evidente à outras pessoas (2Co 13.5, 1Co 11.28).

O fruto do Espírito e a santidade

Aqui é preciso fazer um parênteses e explicar a relação entre fruto do Espírito, que nós falamos no vídeo “Fruto do Espírito – Como ter sua vida transformada?”, e a santidade. Desenvolver o Fruto do Espírito (Gl 5.22-23), que é amor, alegria, paz, paciência, bondade, benignidade, fidelidade, mansidão e domínio próprio, é uma parte importante no desenvolvimento da santidade e, na maioria das vezes, ficará evidente à outras pessoas (Mt 7.17-20, 2Co 8.21), porém, a parte essencial no processo de santificação está relacionada àquilo que fazemos quando ninguém está olhando (Gl 6.4, Hb 4.13).

O único capaz de saber se de fato estamos andando em santidade é o próprio Deus (Lc 16.15). Afinal, somente ele conhece os nossos pensamentos, as nossas intenções e as nossas motivações (1Co 13.12, 1Cr 28.9).

O que é andar em santidade?

Andar em santidade é não se deixar dominar pela inveja, orgulho, egoísmo, cobiça, ganância, raiva, incredulidade, medo, preguiça, mentira, idolatria, vícios, ou qualquer outro tipo imoralidade e depravação, principalmente na área sexual, como libertinagem, promiscuidade, lascívia (sensualidade), fornicação, masturbação e pornografia (Gl 5.19-21, Ef 5.5, Cl 3.5).

Ninguém que viva na pratica destas coisas (Ap 22.15), e goste disso (Fp 3.19, Rm 1.32), pode dizer que é santo e muito menos salvo (1Jo 1.6), por mais próspero que seja, por mais milagres que tenha realizado e por mais experiências sobrenaturais que tenha tido (Mt 7.21-23).

Santidade é a separação e afastamento do mal em todos os aspectos, sejam das vontades da nossa carne (Rm 7.5), sejam dos valores do mundo (1Jo 2.15-17, 1Jo 5.19).

É mesmo possível andar em santidade?
Mas como é possível lutar contra nossos próprios desejos, controlar nossa mente e não pensar neste tipo de coisa?

| As tentações

Bom, primeiro de tudo é preciso entender que o que passa em nossas mentes não é o problema (Ef 4.26-27), nós não temos como impedir que certos pensamentos venham à nossa mente, seja por causa do nosso próprio mau desejo (Mc 7.21-23), seja pela influência do diabo (1Pe 5.8), ou pela combinação das duas coisas (Mt 16.23). O grande problema está em não orar a respeito (Mc 14.38, Ef 6.18) e permitir que tais pensamentos cresçam ao ponto de determinarem o nosso comportamento e as nossas ações (Tg 1.14-15).

| O pecado

Se mesmo assim o pecado acontecer (1Jo 2.1), deve haver arrependimento (At 3.19). É preciso confessar o pecado diante de Deus (1Jo 1.9) e também das pessoas envolvidas (Tg 5.16). Quando existe apenas remorso, não há perdão e enquanto o pecado permanece oculto, não há cura. A consequência disso é que, aos poucos, se perca a sensibilidade para ouvir voz do Espírito Santo (Ef 4.30), ficando muito mais difícil resistir aos desejos da carne (Ef 4.17-19) e muito mais fácil se entregar aos prazeres do mundo (Tg 4.4).

| O Espírito Santo

Por essa razão é necessário obedecer (1Jo 2.3-6) e dar liberdade ao Espírito Santo, para que Ele nos ensine (Jo 14.26, 1Jo 2.27), nos repreenda (Ap 3.19) e nos corrija quanto for necessário (Jo 16.8, 2Tm 3.16-17). Isso é o que vai desenvolver nossa intimidade com Deus e nos manter longe do pecado (Hb 12.5-13).

A santidade é um processo

A santidade é operada de forma gradual e progressiva, pelo próprio Deus (2Ts 2.13). É uma ação do Espírito Santo (1Pe 1.2), e não do homem. Trata-se um aperfeiçoamento diário (2Pe 1.5-9), que vai desde os primeiros passos da vida cristã até a nossa morte física (Fp 1.6) e, até lá, jamais seremos perfeitos (1Jo 1.10).

Conclusão

A verdade é que Bíblia diz que se alguém tem prazer no pecado, que continue pecando (Ap 22.11), mas se tem prazer no que é santo (Rm 7.22), por mais erros que cometa, que continue lutando contra o pecado (Hb 12.4, 1Pe 4.1-3) e andando em santidade (1Jo 2.28, 2Tm 2.21), afinal, sem santidade ninguém verá a Deus (Hb 12.14, 1Jo 3.1-3).

Daí a importância em renovar as nossas mentes com a Palavra de Deus (Rm 12.2). Ler a Bíblia e meditar no que está escrito (Js 1.8), é na única forma de fazer com que nossos pensamentos se voltem para as coisas do alto (Hb 4.12, Cl 3.2), para aquilo que é verdadeiro, puro e correto (Fp 4.8, 1Ts 4.7).

Jesus Cristo deve governar nossas mentes para que todo pensamento se torne obediente à Ele (2Co 10.5), e que tanto o nosso querer, quanto o nosso realizar, sejam feitos de acordo com a sua boa (Fp 2.13), agradável e perfeita vontade (1Co 13.10, Rm 6.22).

Fonte: Vai na Bíblia

RECOMENDAMOS



O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS