Por: No Secreto

“Contudo, ‘quem se gloriar, glorie-se no Senhor’, pois não é aprovado quem a si mesmo se recomenda, mas aquele a quem o Senhor recomenda.” (2Co 10.17 – 18)

Vivemos numa fase de planejamento, de estruturação e de formular estratégias para alcançarmos nossos sonhos. E sim, tudo isso é saudável. Mais do que saudável, é necessário, pois sem um foco, não se alcançam objetivos. Nesse contexto, quando nos deparamos com alguns insucessos, é importante refletirmos e mudarmos de atitude para acertar. De outro lado, também é necessário sabermos reconhecer nossas conquistas. desde coisas simples, como uma nota boa na matéria difícil até vitórias mais sofridas, como a admissão em um estágio concorrido ou, uma vaga na faculdade desejada.

Ao pensar nessa realidade, cabe traçarmos um paralelo com as circunstâncias fáticas dentre as quais Paulo escreveu a segunda carta aos Coríntios.

Durante o capítulo 10, o apóstolo exorta os destinatários da mensagem a limitarem a si mesmos, reconhecendo que é por meio de Deus que podemos alcançar nossos objetivos. O autor da carta ressalta que até mesmo trabalhar para o Reino de Deus, vem da graça do Senhor. Paulo não proíbe a Igreja de Corinto em se alegrar pelos avanços na obra de Deus. No entanto, os relembra de que a vitória não é alcançada simplesmente pelo esforço físico e mental, mas sim pela misericórdia de Deus, por intermédio da ação do Espírito Santo. Por fim, destaca que a aprovação de um homem pressupõe o olhar de Deus a seu respeito.

Em nosso dia a dia é comum entrarmos no automático.

A rotina acaba fazendo com que a gente se acostume com determinadas situações. Dessa forma, por vezes, esquecemos que é Deus quem permite que concretizemos nossos planos (e mais uma vez, cabe lembrar das conquistas simples até as mais difíceis). Portanto, um primeiro desafio que nos surge, para sermos aprovados, é o de ponderar o valor e relevância que temos concedido ao Senhor em cada uma de nossas atividades, pois Ele tem de ser a essência de todos os nossos planos.

Ademais, em específico na obra de Deus, temos que tê-lo como referência e objetivo.

Quando deixamos o Espírito Santo de lado, tendemos a nos inflar de orgulho e recomendarmos a nós mesmos, pois acreditamos, de forma equivocada, que somos bons no que fazemos. É exatamente esse pensamento de autossuficiência que nos impede de sermos aprovados por Deus, pois de acordo com o apóstolo Paulo, para recebermos aprovação, a recomendação a nosso respeito não deve vir de nós mesmos, mas do Senhor. Dessa maneira, o segundo grande desafio que nos é proposto, diz respeito a trabalharmos para o Reino, sempre visando a glória de Deus, por quem somos salvos.

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS