Zhang Zhen foi abordada na rua, revistada e presa pela polícia do partido comunista.

Zhang Zhen (pseudônimo utilizado para proteger a identidade da cristã), membro da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), de 40 anos, relatou como ela e muitos outros membros têm sido perseguidos, torturados, insultados e maltratados pelo regime comunista chinês.

A cristã conta que sofreu uma humilhação inimaginável nas mãos de membros do Partido Comunista Chinês (PCC) depois de ter sido presa há dois anos em virtude de sua fé.

“Era verão de 2017. Eu estava voltando para casa quando um jovem alto de moto me parou”, relembra. Ela conta que antes que percebesse o que estava acontecendo, o homem a forçou colocar suas mãos nas costas “e vários policiais, que surgiram do nada, começaram a olhar sua bolsa, sem mostrar nenhum documento”.

Para Zhang, a pior parte foi quando um dos policiais disse a ela para tirar a roupa para uma busca em seu corpo.

“Isso é demais; é uma violação dos meus direitos”, reclamou. Naquela hora, Zhang tentou se libertar, mas suas mãos estavam nas costas. Ignorando-a, uma policial a despiu à força, deixando-a apenas com suas roupas íntimas no meio da rua.

“Trinta ou mais espectadores me cercaram, um após o outro dizendo coisas”, continuou ela. “Senti medo, estava humilhada, com raiva e desespero. Eu gostaria de poder desaparecer em um buraco ou até morrer, de tanta vergonha”.

Pesadelo

A casa de Zhang foi invadida no mesmo dia. A polícia disse que ela havia sido monitorada por nove meses.

Por ter se recusado a divulgar informações sobre os líderes e membros da Igreja, Como Zhang Zhen foi escoltada para uma casa de detenção no dia seguinte. Os guardas que a admitiram a mandaram tirar todas as roupas e tiraram fotos dela de todos os lados.

Como ela percebeu mais tarde, este era apenas o começo de seu pesadelo. “No dia seguinte, um guarda ordenou que eu me despisse para um exame físico na frente de mais de 20 presos”, lembrou Zhang Zhen. Desta vez, tive que levantar as mãos sobre a cabeça e girar em círculo como um bufão. Eu queria esmagar minha cabeça. Havia câmeras HD na cela, então os guardas do sexo masculino também podiam assistir a cena em suas telas de vigilância. Não é só isso: eles também podem me ver lavando ou usando o banheiro. Fui privado de qualquer privacidade.

O chamado exame físico, quando ela precisava se despir completamente, era realizado uma vez por semana, durante os dois anos em que esteve detido. “Cada exame parecia uma tortura”, acrescentou a mulher. “Era pior do que morrer. Eu sempre fui tomada pela tristeza como se meu coração estivesse sangrando”.

Durante sua detenção, Zhang Zhen foi interrogada várias vezes para divulgar informações sobre a Igreja. Algemada, ela foi levada para os lugares onde costumava estar com seus irmãos cristãos.

Ela conta que se sentiu extremamente humilhada tendo que “desfilar assim pelas ruas”.

A polícia usou essa tática para fazê-la divulgar informações e renunciar à sua fé. A mulher disse a Bitter Winter que só conseguiu passar por essa provação por causa de sua forte crença.

Após dois anos de detenção, Zhang Zhen foi condenada ao tempo sob a acusação de “usar uma organização xie jiao para minar a aplicação da lei”.

Mesmo após sua libertação, Zhang Zhen diz que é atormentada pelas lembranças de sua experiência. A polícia também continua a assediá-la, forçando-a a escrever uma declaração de arrependimento. Como eles ameaçam nunca desistir, um sonho de uma vida normal é inacessível, a menos que ela renuncie à sua fé.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO BITTER WINTER

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS