No evento online, o pastor pregou sobre a cura do leproso narrada na passagem de Marcos 1:40.

O pastor Luiz Hermínio usou o texto de Marcos 1:40 para falar da atuação de Deus na vida de um pecador. Ele usou a passagem que conta a história de um leproso que se encontrou com Jesus e foi curado por ele.

O líder do Ministério MEVAM disse que estamos vivendo dias difíceis e precisamos ter discernimento nesses dias difíceis. “Essa é a nossa bandeira para esses dias, que são um cenário perfeito para a manifestação da cura, para a manifestação do milagre, para a manifestação da glória de Deus”, declarou.

Luiz Hermínio disse que “foram em dias difíceis que saíram as melhores canções que cantamos e que nascem as melhores ministrações do nosso coração”.

Ele recorreu ao sofrimento de Cristo para manter a argumentação. “Foi na cruz, no meio da dor, no meio do sangue, no meio da dificuldade e no meio da morte que ressurgiu a vida. A luz nasce em meio às trevas”, declarou.

Ele disse que aquele leproso que se encontrou com Jesus vivia dentro do contexto da lei judaica, descrita em Levíticos 13.

“O leproso carregava uma praga e uma maldição. O doente ia ao médico, mas o leproso ia ao sacerdote”, explica.

O pastor conta que a Bíblia diz que Jesus curava os enfermos, mas limpava os leprosos. “A lepra era resultado de pecado praticado, principalmente de língua maledicente. O leproso precisava ficar sozinho, fora do arraial, porque não podia conversar. A única forma de a lepra sair dele era ele parar de falar mal dos outros”, explica.

Luiz Hermínio ensina que para o leproso entrar na cidade, ele tinha que rasgar as suas vestes, soltar os seus cabelos e entrar gritando “imundo”. “Ele precisava reconhecer que era imundo. Ele não podia estar perto de pessoas, não podia estar conversando com pessoas, tinha que habitar só fora do arraial até que a lepra o deixasse”, diz.

Ainda no contexto da lei, o pastor diz que quando a lepra deixasse a pessoa, ela tinha que ir até o sacerdote para ver se realmente estava limpa e só então poderia voltar à sociedade.

Mas o leproso, ao se aproximar de Jesus, ignorou aquela orientação da lei e entrou em uma jornada para ser curado.

Primeiro, ele aproximou-se de Jesus. Não podemos viver longe de Deus e buscar o favor dele apenas quando preciso. Mas eu tenho que viver com Deus, para que a vida dele seja liberada na minha vida.

Em segundo lugar, ele colocou-se de joelhos diante de Jesus. Ele o adorou.

Em terceiro lugar, ele rogou a Jesus, ele pediu por seu milagre.

E quarta coisa que ele fez foi confiar em Jesus. “Ele não disse: Se tu puderes, me cura. Mas disse, se tu quiseres, eu sei que bem podes”, disse o pastor. “Precisamos saber que ele pode. As Escrituras dizem que Ele pode”, declara.

As atitudes daquele leproso fizeram com que Jesus olhasse para ele e dissesse: “Eu quero”.

“Se Jesus tivesse dito só ‘eu quero’, ele já seria curado. Mas além de dizer, Jesus o tocou. Jesus naquele dia não apenas curou a lepra daquele homem, mas também a solidão de alguém que não poderia ser tocado por ninguém. Ele curou a lepra de um homem que não poderia conversar com ninguém”, pregou Luiz Hermínio.

“Jesus quer curar você. Ele só precisa que você se aproxime, que você peça, que você reconheça, e diga ‘se tu quiseres…’”, ensina o pastor.

“Faça a sua parte. Se aproxime dele. Creia que Ele é poderoso para fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos. O que Jesus faz não está relacionado apenas à cura física, mas também à cura da alma, à cura das emoções, à cura da carência, à cura da culpa”, diz.

“Nós estamos vivendo um rio de salvação, estamos vivendo um rio de milagres”, declara.

No final, o pastor declarou o toque de Jesus sobre aqueles que estavam participando do The Send Brasil. “Seja tocado pelo Evangelho, seja tocado com o amor de Jesus, seja tocado com a graça de Deus. Receba a cura, receba o milagre”, ministrou.

FONTE: GUIAME

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS