A freqüência a cultos ou celebrações religiosas, reduz o risco de morte e ajudá-lo a viver mais tempo , de acordo com uma pesquisa de mais de dez anos por pesquisadores dedicados ao estudo da saúde pública.

O estudo foi publicado pela Biblioteca Pública de Ciências ( PLOS ), com dados destinados a reduzir o risco de morte entre as pessoas que participam das reuniões da igreja , pelo menos uma vez por semana.

Os pesquisadores reuniram 18.300 americanos com idades de cerca de 50 anos e depois coletaram dados sobre sua rotina religiosa, hábitos sociais e condições de saúde. A ideia era avaliar o impacto da religião nas taxas de mortalidade, segundo a agência Ansa.

Os estudos foram realizados em 10 anos, entre 2004 e 2014, e após três anos de estudos de dados, o relatório da pesquisa foi revelado recentemente, mostrando que entre os entrevistados que frequentavam serviços, pelo menos uma vez por semana, o O risco de mortalidade foi inferior a 40%, em comparação com aqueles que não participaram de nenhum grupo religioso.

Os dados também mostram que os assistentes mais freqüentes eram menos propensos a adquirir hábitos prejudiciais , como fumar ou abusar de bebidas alcoólicas, e sempre tinham mais chances de consultar médicos regularmente e realizar atividades físicas.

Os pesquisadores também enfatizaram que o tipo de crença não influencia os resultados: “A religiosidade ativa é uma marca que caracteriza uma população com menor risco de morte , devido a vários fatores de proteção , como melhor estilo de vida e maior disposição”. para relações sociais”explicou Raffaele Antonelli, professor de medicina da Universidade de Roma.

” O espírito religioso é geralmente associado a uma atitude mental positiva , que ‘protege’ da doença . Portanto, a assistência da igreja protege contra a depressão “, concluiu.

Fonte: AcontecerCristiano.Net

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS