Kaylee Turley, de 5 anos, foi curada de uma malformação arteriovenosa no cérebro. Ela tinha certeza da cura antes mesmo dos exames indicarem.

“Mamãe, mamãe, minha cabeça, minha cabeça!” Aos gritos, Kaylee Turley, de 5 anos, correu para o quarto dos pais, com uma forte dor na cabeça, na manhã de 30 de dezembro de 2019.

Michele deu um remédio para aliviar a dor da filha e enxugou seu rosto com um pano embebido em água fria. Parecendo se recuperar, Kaylee disse à mãe que estava com fome. Entrando na cozinha, a menina começou a vomitar e ficou mole. “Não havia dúvida de que algo estava muito errado”, disse a mãe à AG News.

Os pais levaram a filha a um pronto-socorro em Fort Smith, no estado americano de Arkansas, onde a tomografia indicou que Kaylee sofria com um sangramento no cérebro — cerca de um terço dele já estava coberto.

A menina foi encaminhada em um helicóptero de emergência para o Hospital Infantil de Arkansas, a quase 300 km de distância. “Dava para ver sua respiração, mas não havia vida nela”, diz Michele.

Os pais da menina, Don e Michele, logo pediram orações para os familiares, amigos e irmãos da igreja. O número de pessoas em oração por Kaylee começou a crescer rapidamente por meio de ligações, mensagens e posts nas redes sociais.

Em algum momento, durante o vôo para o Hospital Infantil, a primeira resposta às orações aconteceu — o cérebro de Kaylee parou de sangrar. Foi o que mostrou a tomografia computadorizada realizada na UTI infantil logo após a chegada da menina.

“O sangramento havia parado, mas ainda tinha algo acontecendo”, lembra Michele.

O diagnóstico

Na manhã seguinte, exames indicaram que Kaylee tinha uma malformação arteriovenosa (MAV), caracterizada pela anormal comunicação direta entre uma artéria e uma veia, sem haver a formação de uma rede de capilares para amortecer.

“Ela não conseguia se sentar, mal conseguia falar, apenas gemia, e não fazia movimentos do lado direito do corpo”, diz Michele.

Diante do quadro, os médicos consideravam fazer uma internação de fisioterapia de dois meses e realizar uma cirurgia no cérebro para remover a MAV, segundo a mãe.

Dois meses seria tempo suficiente para Kaylee se recuperar? As orações continuaram aumentando.

Recuperação milagrosa

Depois de reagir a um terapeuta musical, Kaylee começou a melhorar dia após dia. Em uma sexta-feira, ela foi retirada da UTI e encaminhada para o quatro, andando pelo corredor do hospital com ajuda da mãe. Milagrosamente, no sábado ela recebeu alta.

“Em vez de dois meses, em menos de uma semana ela foi mandada para casa”, conta Michelle, ainda maravilhada.

“Cremos em Deus e começamos a orar”, diz a avó da menina, Sharon Stockton. “Cada vez os médicos mudavam sua história… Sobre a possibilidade dela caminhar, sua memória, quanto tempo ela estaria internada no hospital, sua cirurgia. Acho que as pessoas no hospital ficaram simplesmente surpresas”.

Depois de voltar para casa, Kaylee ainda lutava para falar e andar sozinha, mas nas cinco semanas seguintes, suas melhorias foram notáveis. “As correntes de oração não paravam”, diz Michele.

capture 20200820 194340 300x207 - “Jesus me curou”, diz menina de 5 anos antes de exame indicar de regeneração do cérebro

A fé de uma criança

Com a pandemia do novo coronavírus, que atingiu os Estados Unidos em março, a ressonância magnética de Kaylee, que estava marcada para maio, foi adiada. Os médicos não consideravam o exame urgente, embora acreditassem que a menina ainda tinha MAV, apesar da melhora.

Antes da igreja encerrar os cultos devido à pandemia, Kaylee sempre ia à frente do altar para receber oração. Mas com o passar das semanas, a menina deixou de sentir o desejo de receber oração e não queria ir à fisioterapia.

A explicação de Kaylee? “Mãe, por que? Jesus já me curou”.

“Eu a levaria para a terapia e ela me perguntaria por que temos que ir, ‘Deus me curou’”, relata a avó. “Ela ama o Senhor, aquela coisinha, ela é especial”.

Em 25 de junho, Kaylee fez a ressonância magnética e nada foi encontrado em seu cérebro. O médico agendou um angiograma, mas pretendia realizar um procedimento cirúrgico para remover a MAV e reparar a artéria no cérebro da garota.

Nesse processo, Kaylee continuava firme em sua crença de que Deus a havia curado e não entendia a necessidade da cirurgia. Em 27 de julho, o médico iniciou a angiografia para remover a MAV, mas não encontrou nada. A malformação havia desaparecido.

“Foi uma confirmação”, disse Sharon. “Esta menina é um milagre e damos a glória a Deus”.

Michele diz que o médico mostrou os exames realizados em dezembro, indicando claramente a MAV, e os novos exames, sem nenhum sinal de anormalidade. “Agora tenho confirmação médica”, disse a mãe.

Quando Kaylee foi finalmente levada de volta para a sala de recuperação, Michele contou a boa notícia de que Deus a havia curado. A menina então respondeu: “Eu te disse, mamãe!”

Impacto

A notícia da cura de Kaylee se espalhou pelos 2.400 habitantes da pequena cidade de Lavaca, onde fica a igreja que a família frequenta. “As pessoas têm ouvido falar da cura de Kaylee e agora estão nos chamando para orar por elas”, diz Sharon.

“Somos apenas uma pequena igreja com cerca de 50 pessoas, mas realmente cremos em Deus”, acrescenta a avó de Kaylee. “Deus ainda está no trono, ainda ouve nossas orações e ainda cura”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA AG NEWS

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS