Desde que o boicote foi proposto em 2012, as vendas da rede Chick Fil-A só aumentaram e atualmente já somam mais que o dobro

As vendas anuais da rede de fast-food americana ‘Chick-fil-A’ tiveram um aumento de mais de 100%, desde que grupos LGBT e liberais começaram a pedir um boicote à empresa em 2012, de acordo com uma nova análise.

Em 2012, quando houve polêmica sobre os comentários do CEO a respeito do casamento entre pessoas do mesmo sexo, as vendas totalizaram US $ 4,6 bilhões, sendo que foram de US $ 4,1 bilhões no ano anterior.

Em 2018, as vendas totalizaram US $ 10,46 bilhões, tornando-o o terceiro maior restaurante nos Estados Unidos, ficando somente atrás do McDonald’s e Starbucks.

O boicote pode ter afastado alguns clientes, embora aparentemente atraísse muito mais. A rede também abriu quase 700 novos restaurantes desde o início do boicote, segundo o jornal ‘Journal & Courier’, que relatou os dados em uma matéria de 17 de setembro e examinou a eficácia do boicote.

“Os únicos que parecem ter algum tipo de aversão ao popular restaurante de sanduíches de frango são um grupo de extremistas estridentes da extrema esquerda, mas todos eles cabem em uma minivan”, disse Glenn T. Stanton, diretor de estudos globais de formação familiar da ‘Focus on the Family’. “Eles acusam o Chick-fil-A de ser preconceituoso sem a menor evidência, apenas porque seus fundadores acreditam que família é formada a partir do casamento entre homem e mulher. Tal posicionamento dos empresários está muito bem com o resto de nós”.

O blog de edições LGBT Towleroad, em 2011, criticou os laços de Chick-fil-A com organizações cristãs e conservadoras que se opunham à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. A manchete dizia: “Se você está comendo Chick-fil-A, está comendo anti-gay”, relatou o Journal & Courier. O blog recebeu atenção moderada da mídia naquele ano, mas o assunto recebeu muito mais atenção em 2012, quando Dan Cathy, CEO da Chick-fil-A, foi questionado sobre o apoio da empresa à família tradicional e respondeu:

“Nós apoiamos muito a família – a definição bíblica da unidade familiar”, disse ele ao Biblical Recorder. “Somos uma empresa familiar e somos casados ​​com nossas primeiras esposas. Agradecemos a Deus por isso”.

Os comentários de Cathy levaram o movimento LGBT dos EUA a pedir à empresa e os os prefeitos de Boston e Chicago a se oporem à abertura de novos restaurantes da rede em suas cidades. Isso, por sua vez, levou o governador do Arkansas, Mike Huckabee a lançar o Dia de Apreciação do Chick-fil-A em 1º de agosto de 2012. Centenas de milhares de clientes participaram e a rede quebrou recordes de vendas para um único dia.

Efeito reverso

Desde 2012, suas vendas estabelecem um novo recorde a cada ano, passando de US $ 4,6 bilhões em 2012 para US $ 5 bilhões, para US $ 5,7 bilhões, para US $ 6,7 bilhões, para US $ 7,9 bilhões e US $ 9 bilhões em 2017, segundo o Restaurant Business. Atingiu US $ 10,46 bilhões em vendas em 2018.

O Chick-fil-A foi nomeado a rede de fast-food favorita da América em uma pesquisa com clientes este ano.

Mas ainda assim, continua enfrentando oposição. Autoridades em San Antonio e Buffalo impediram o Chick-fil-A de abrir restaurantes em seus aeroportos locais. Um segmento do corpo docente e dos alunos da Purdue University e da Universidade do Kansas também se opõe à empresa.

O professor de administração da Northwestern University, Brayden King, disse que o sucesso de um boicote não pode ser julgado apenas pela economia.

RECOMENDAMOS


O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS