Máscaras tornaram-se obrigatórias ou fortemente recomendadas em grande parte do mundo, na esperança de impedir a propagação do coronavírus. Embora as recomendações tenham sido controversas em algumas áreas devido ao baixo suprimento, as máscaras demonstraram funcionar, mas, infelizmente, esses novos acessórios deram às pessoas um novo item para descartar.

Além de bitucas de cigarro, garrafas vazias e embalagens de alimentos descartadas, luvas de borracha e máscaras cirúrgicas também estão agora espalhadas por muitas ruas das cidades. Itens descartados na rua podem facilmente ser levados para os esgotos durante tempestades e, eventualmente, acabar no oceano ou em outros cursos de água. As máscaras e luvas cirúrgicas podem ser especialmente prejudiciais ao meio ambiente, porque geralmente são feitas de tecidos e plásticos não biodegradáveis ​​e apresentam cores atraentes para os animais marinhos.

View this post on Instagram

Sadly No Shortage of Surgical Masks On Hong Kong Beaches OceansAsia are currently 5 months into a year long study of #marinedebris and #microplastics. Our research site is located on the Soko Islands, a small group of islands located south west of Lantau at the mouth of the Pearl River delta and one of the focuses is investigating the make up of the debris, where it comes from etc. On this months survey trip the team noticed a new arrival to the beach, the surgical mask. Besides the obvious disgust in hygiene mentality the interesting part for us is seeing the timing. With such a massive social change (everyone wearing masks) it has taken 6 weeks to see the effects wash up on our beaches. Surgical masks would possibly have been there before the COVID-19 virus in very small numbers, but no way on the scale we witnessed. We have been on this beach twice a month for 5 months. In Hong Kong we have already seen our nature trails getting trashed by masks, however to now know that something introduced enmasse to a population, takes just 6 weeks to arrive on our beaches. This highlights we have a serious waste management system, both in Hong Kong & China. Photo: Naomi Brennan *Gloves were worn at all times and collected masks were disposed of correctly. #covid19 #virus #cdc

A post shared by OceansAsia (@oceansasia) on

Na Ásia, onde as pessoas já usam amplamente máscaras e luvas há alguns meses, grupos de conservação relataram que esses itens já estão chegando às vias navegáveis ​​e oceanos próximos. Em fevereiro, o grupo de conservação OceanAsia publicou fotos que tiraram das praias de Hong Kong, onde luvas e máscaras cirúrgicas estavam espalhadas por toda a areia e flutuando na água.

O co-fundador da OceanAsia, Gary Stokes, disse ao The Independent que espera que esses itens sejam encontrados dentro de animais marinhos mortos em um futuro próximo.

“A maneira como vejo essas máscaras no meio ambiente é apenas mais uma adição à crescente crise de detritos marinhos que nossos oceanos estão enfrentando. Nem melhor, nem pior, simplesmente não deveria estar lá em primeiro lugar. Estou esperando ouvir a primeira necropsia que encontra máscaras dentro de um animal marinho morto. Não é uma questão de se, mas quando – disse Stokes.

Ambientalistas nos Estados Unidos têm percebido uma tendência semelhante, pois o uso de máscaras e luvas continua sendo mais comum no país. Maria Algarra, a fundadora do grupo ambientalista de Miami “Clean This Beach Up”, iniciou uma campanha de hashtag chamada #TheGloveChallenge, onde incentivou as pessoas a tirar fotos de luvas e máscaras descartadas para ilustrar quanto de um problema generalizado é esse lixo.

Algarra conta que recebeu quase 2.000 fotos de luvas e máscaras descartadas de todo o mundo. Em alguns casos, as pessoas chegaram a ajudar e limpar os itens descartados, mas Algarra aconselhou seus apoiadores a buscar os itens apenas se eles tiverem equipamentos de proteção individual.

“Com o desafio das luvas, é sobre educação. Essa é a chave para fazermos melhor como comunidade e como humanos. Não podemos esperar que as pessoas mudem de atitude se não souberem o que estão fazendo de errado. O plástico se decompõe em pedaços cada vez menores até que o microplástico esteja em todo lugar. É tóxico e está no que estamos comendo e bebendo. Não há como limpar microplásticos. Depois que o lixo chega ao oceano e quebra em pedaços menores, é quase impossível retirá-lo ” , disse Algarra.

Fonte: Truth Theory

Crédito da imagem: Ocean Asia

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS