Pais que controlam seus filhos adultos: Manipulação emocional

Os pais controladores não deixam de ser pais apenas porque seus filhos são adultos. Pelo contrário, nesse estágio, eles geralmente exercem mecanismos de controle mais sofisticados, como chantagem emocional ou vitimização.

Nós analisamos abaixo: Pais que controlam seus filhos adultos

Dão conselhos que não são necessários. Fazem dos filhos objeto de constantes reprovações. Recomenda constantemente o que se deve fazer e o que não se deve fazer. Usam de chantagem, de linguagem manipuladora que rouba a motivação e até a auto-estima dos filhos…

A maneira como os pais controlam seus filhos adultos costuma ser tão sibila que um livro pode ser escrito.

No entanto, esse livro seria realmente um diário de sofrimento e lamentação silenciados. Porque atingir a idade adulta e ter por conta própria a longa sombra do pai que supervisiona e critica ou da mãe que usa mil truques para continuar controlando, reduz sua própria dignidade e torna toda essa dinâmica invisível em nossa sociedade.

Uma sociedade que continua exaltando o trabalho dos pais e que vê na família esse refúgio de amor incondicional que abraça e enriquece tudo. Quando, às vezes, os pais e seu estilo de vida agem como verdadeiras fábricas de infelicidade. Um sofrimento inoculado na infância e que, em muitos casos, persiste na idade adulta.

Por que existem mães e pais que controlam seus filhos?

Além disso … por que essas crianças não conseguem escapar desse influxo em muitos casos? Nós analisamos isso.

Muitos pais controlam seus filhos adultos de perto e de longe. Não importa que esse filho ou filha já tenha saído da casa da família e tenha uma família própria e uma vida separada. O cordão umbilical permanece intacto e, por meio dele, continua alimentando o amor envenenado que busca um único objetivo: fazê-los continuar a precisar deles.

SE NOS PERGUNTARMOS O QUE ESTÁ POR TRÁS DA NECESSIDADE DE CONTROLE NESSE TIPO DE DINÂMICA, A RESPOSTA É SIMPLES: QUEM PROCURA CONTROLAR TENTA ALIVIAR UM SENTIMENTO DE FALTA.

Nesse caso, os pais procuram se defender da solidão utilizando da manipulação emocional, convencendo seus filhos de que eles ainda são essenciais para eles.

A proximidade (e a dominação) lhes dá a sensação de permanecer úteis, de manter o poder e, assim, aliviar a baixa auto-estima e a personalidade distorcida que não vê o sofrimento que seu comportamento gera.

O FATO DE AS CRIANÇAS SEREM ADULTAS NÃO DIMINUI UM PINGO DESSA NECESSIDADE DE CONTROLE.

As técnicas devem ser mais sofisticadas, mas quem vive meia vida ou uma vida inteira como manipulador psicológico sempre encontra maneiras e estratégias.

Não importa se a criança continua em casa ou já a deixou. As redes de controle continuam a se espalhar e sufocar com muita habilidade.

O medo dos pais de deixar a vida fluir naturalmente

Quem controla, como já sabemos, o faz motivado pelo sentimento de falta, mas também pelo medo.

Eles temem que a vida de uma criança siga seu caminho com independência, maturidade e liberdade longe de casa.

Qualquer tentativa deste último de assumir as rédeas apropriadas de sua existência é interpretada como uma mágoa e emoções tão agudas quanto raiva, raiva, angústia surgem instantaneamente …

Ver como as crianças se atrevem, a qualquer momento, a tomar suas decisões no trabalho e nos assuntos pessoais é interpretado como pouco mais que uma ameaça.

Além do mais, o pai ou a mãe controladores farão com que ele veja que, com esse passo, o que ele consegue não é nada mais do que algo para prejudicá-los, e dizem …

«Como você ousa trabalhar em outra cidade e me deixar aqui sozinha?»

“Como está passando pela sua cabeça ter um namorado ou namorada agora se eu preciso sempre de você?”

Esse tipo de pai apenas constrói muros para que a vida não flua, para que o dia-a-dia da criança fique completamente estagnado.

Pais que controlam seus filhos adultos, como eles fazem isso?

Os pais que controlam seus filhos o fazem de maneira disfarçada, indireta e dolorosa. É um tipo de manipulação tão insidiosa que as crianças não sabem muito bem como explicar quando recebem terapia psicológica.

Essa teia de aranha que prende e restringe as liberdades sempre esteve ao seu redor, encapsulando-as, de modo que às vezes assumem algo normal que não é de todo.

O pai controlador está sempre lá para “ajudar”, mas graças a essa ajuda aparentemente bem-intencionada, eles têm uma desculpa para dominar.

Assim, o fato de eles nos ajudarem financeiramente, de realizar determinadas tarefas, em última análise, os ajuda não apenas a controlá-los, mas também a chantagear e continuar exercendo autoridade.

Manipulação emocional

Por outro lado, eles também usam essa manipulação emocional que anula e constantemente cria um sentimento de culpa no filho ou filha, de abandonar, trair ou magoar os seus pais.

O controle também é exercido com a palavra, com os conselhos que sabem por comando e não hesitam em nos dizer o que é “para o nosso bem, porque eles sabem o que é bom para nós”.

Como sair da prisão por controlar os pais?

Refletir sobre o relacionamento que temos com nossos pais é uma necessidade. Devemos fazê-lo para nos conscientizar (e não importa quantos anos tenhamos) sobre se esse vínculo nos oferece bem-estar e sofrimento. Dizemos o último porque algumas pessoas não percebem até que ponto a sombra da família média e deforma sua qualidade de vida.

DEVEMOS SER CLAROS COM NOSSOS PAIS SOBRE QUAIS COMPORTAMENTOS ESTAMOS DISPOSTOS A ACEITAR E QUAIS NÃO SOMOS.

Definir limites claros é um exercício de saúde . Se eles não os respeitarem, se reagirem mal e fizerem uso das vítimas, advertindo-nos de que os estamos abandonando, devemos evitar voltar a entrar em suas redes. Quando um define um limite, os outros têm apenas duas opções: aceitá-los ou ver como nos tornamos ainda mais distantes.

A melhor coisa em todos os casos é falar de forma assertiva e clara com nossos pais sobre como queremos que as coisas sejam para o bem de todos.

Além disso, e não menos importante, não devemos negligenciar outro aspecto essencial: curar todos esses anos de desgaste e manipulação constante.

ESSAS FERIDAS COSTUMAM DEIXAR A MARCA DA BAIXA AUTO-ESTIMA E ATÉ DE ESTRESSE PÓS-TRAUMÁTICO. VAMOS MANTER ISSO EM MENTE.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações La mente es Maravillosa

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS