Ele conta que vendeu balas para poder retirar uma nova certidão de nascimento. “A minha antiga estragou. Agora eu quero arrumar todos os documentos para conseguir um trabalho, continuar estudando e alugar uma casa. Tem que ter uma meta né. Ficar vagando por aí e reclamando das dificuldades não adianta nada”, afirmou, determinado.

As aulas da EJA para pessoas em situação de rua na capital acontecem todas às segundas e terças-feiras, das 18h30 às 20h30, no Instituto Arco-Íris, localizado na região central da Capital. Todo o material escolar, lanche e itens de higiene são fornecidos pela Prefeitura de Florianópolis.

O projeto é uma realização da Prefeitura de Florianópolis, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação, com o apoio do Movimento da População de Rua de Santa Catarina, Instituto Arco-íris e Rede Rua.

“Para eles, tem sido muito significativo. É um resgate da autoestima deles e resignificação da vida. É uma porta de entrada para a garantia de direitos deles”, declarou o psicólogo do Instituto Arco-íris, Gabriel Amado.

“O lado positivo é que com os estudos eles estão resgatando o passado deles. Aqui não tem ninguém olhando torto para eles. Educação é algo que o ‘povo da rua’ também quer. É um resgate de valores”, finaliza o coordenador do movimento de População de Rua, André Shaffer.

Para o secretário de Educação de Florianópolis, Maurício Fernandes Pereira, a Prefeitura quer cada vez mais universalizar o ensino. “Fazendo isso, estaremos oferecendo condições para que as pessoas, como as de situação de rua, possam ter novos sonhos, novos caminhos para trilhar, uma nova razão para viver”.

Fonte: Razões Para Acreditar

RECOMENDAMOS






Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)