O entregador foi contratado por uma das maiores agências de publicidade do Brasil e ganhou uma bolsa de 100% para estudar

O motoboy Matheus Pires Barbosa, que foi humilhado com injúrias racistas por um morador em um condomínio de classe média alta, em Valinhos (SP), recebeu um grande apoio nas redes sociais. Isso porque, o entregador de 19 anos ganhou duas motos novas para trabalhar, uma vaquinha que chegou a R$ 205 mil, foi contratado por uma agência de marketing e já acumula mais de 2 milhões de novos seguidores no Instagram.

“Obrigado pelo carinho, sem palavras pra agradecer!!!”, escreveu Matheus no Instagram.

Antes da pandemia, o entregador trabalhava como social media e editor de vídeos freelancer, mas ficou desempregado e teve que buscar outra forma de garantir seu sustento. Foi então que começou a fazer entregas de comida por aplicativo.

Após o caso de racismo, Matheus ganhou uma moto do humorista Matheus Ceará, do SBT, e outra do apresentador Luciano Huck. Na última segunda-feira (10), a Intel lhe presenteou com um notebook novo, pois teve que vendeu seu antigo computador para pagar as contas.

Por fim, na última terça-feira (11), Matheus teve seu primeiro da de trabalho na Avellar, uma das maiores agências de publicidade do Brasil. Além disso, Rapha Avellar, CEO da Avellar, deu uma bolsa de 100% para Matheus estudar marketing na Cria.School.

Entenda o caso

Embora o episódio tenha acontecido no último dia 31 de julho, no interior paulista, o fato ganhou destaque apenas na última sexta (07) pelas redes sociais.

SÃO PAULO

Motoboy ganha duas motos novas, emprego em agência e vaquinha chega a R$ 205 mil
O entregador foi contratado por uma das maiores agências de publicidade do Brasil e ganhou uma bolsa de 100% para estudar
Paulo Rocha

13 ago 2020, 11h26

O motoboy Matheus Pires Barbosa, que foi humilhado com injúrias racistas por um morador em um condomínio de classe média alta, em Valinhos (SP), recebeu um grande apoio nas redes sociais. Isso porque, o entregador de 19 anos ganhou duas motos novas para trabalhar, uma vaquinha que chegou a R$ 205 mil, foi contratado por uma agência de marketing e já acumula mais de 2 milhões de novos seguidores no Instagram.

“Obrigado pelo carinho, sem palavras pra agradecer!!!”, escreveu Matheus no Instagram.

Antes da pandemia, o entregador trabalhava como social media e editor de vídeos freelancer, mas ficou desempregado e teve que buscar outra forma de garantir seu sustento. Foi então que começou a fazer entregas de comida por aplicativo.

Após o caso de racismo, Matheus ganhou uma moto do humorista Matheus Ceará, do SBT, e outra do apresentador Luciano Huck. Na última segunda-feira (10), a Intel lhe presenteou com um notebook novo, pois teve que vendeu seu antigo computador para pagar as contas.

Por fim, na última terça-feira (11), Matheus teve seu primeiro da de trabalho na Avellar, uma das maiores agências de publicidade do Brasil. Além disso, Rapha Avellar, CEO da Avellar, deu uma bolsa de 100% para Matheus estudar marketing na Cria.School.

Entenda o caso
Embora o episódio tenha acontecido no último dia 31 de julho, no interior paulista, o fato ganhou destaque apenas na última sexta (07) pelas redes sociais.

A plataforma de entregas iFood afirmou, através de suas redes sociais, que baniu o técnico em contabilidade da plataforma e ofereceu suporte jurídico e psicológico para o entregador de 19 anos.

De acordo com relatos de vizinhos, Mateus possui um vasto histórico de ofensas e ataques contra pedreiros e seguranças da região. E que, segundo um delegado de Polícia Civil, o morador possui esquizofrenia.

Por fim, devido à repercussão do vídeo, o entregador, Matheus Pires, ganhou uma moto nova e uma vaquinha que, até este último sábado (08), já acumulava R$ 112 mil.

FONTE: MblNews

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS