O maior anseio daqueles, que como nós, creem no Senhor é entrar no reino celestial e, por isso, muitas vezes imaginamos quão belo deve ser lá.

É claro que também temos confiança que entraremos no céu, pois a Bíblia diz: “Em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados” (Colossenses 1:14). Nós, portanto, acreditamos que nossos pecados são perdoados depois que passamos a ter fé no Senhor, e que não somos mais pecadores. Nós também acreditamos que, quando o Senhor vier, nós seremos elevados de imediato ao reino celestial. Pensar nessas coisas nos deixa muito animados e ficamos ansiosos para que o Senhor venha logo. Era isso que eu também desejava. Mas, mais tarde, depois de comungar e debater esse assunto com meus irmãos e irmãs, eu cheguei a uma nova descoberta, e gostaria de comungar o que ganhei com vocês.

O verdadeiro significado de ter os pecados perdoados
Em primeiro lugar, precisamos entender uma coisa: o que significa exatamente ter nossos pecados perdoados? A respeito deste assunto, todos nós sabemos que Deus proclamou Suas leis e mandamentos através de Moisés na Era da Lei. Por meio das leis, Ele tornou as pessoas conscientes do pecado e permitiu que elas soubessem como habitar na Terra, como viver junto com os outros e entendessem que, se pecassem, sofreriam o castigo de Deus.

Somente oferecendo sacrifício a Deus Jeová os pecados das pessoas poderiam ser perdoados. Como a Bíblia diz: “Fala aos filhos de Israel, dizendo: Se alguém pecar por ignorância no tocante a qualquer das coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, fazendo qualquer delas; se for o sacerdote ungido que pecar, assim tornando o povo culpado, oferecerá ao Senhor, pelo pecado que cometeu, um novilho sem defeito como oferta pelo pecado” (Levítico 4:2–3). Embora os pecados da humanidade pudessem ser perdoados pela oferta de expiação, no final da Era da Lei, a humanidade estava se tornando cada vez mais corrompida por Satanás, e, assim, as pessoas eram incapazes de observar as leis de Deus, portanto, não havia mais nenhuma oferta que pudesse resgatá-las. Todos corriam o risco de ser condenados à morte pelas leis.

Deus não estava disposto a ver todos nós condenados à morte pelas leis, e assim Ele se fez carne e operou entre os homens na forma do Senhor Jesus. Ele pregou o evangelho do reino celestial e pediu às pessoas que se arrependessem e confessassem seus pecados, até que, finalmente, Ele foi pregado na cruz e se tornou a oferta pelo pecado de toda a humanidade.

É como diz a Bíblia: “É nessa vontade dele que temos sido santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre. Ora, todo sacerdote se apresenta dia após dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados” (Hebreus 10:10–11). Por causa da redenção do Senhor, nossos pecados foram perdoados e escapamos de perigo de ser mortos pelas leis. Sempre que nos lembramos dessas ações, sentimos uma incrível sensação de calor em nossos corações, pois foi a misericórdia e a clemência de Deus que permitiu a nós, a humanidade, sobreviver até o dia de hoje.

A Bíblia diz: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça” (Efésios 1:7). É claro que nossos pecados foram perdoados porque o Senhor Jesus nos redimiu ao ser crucificado por nossa causa. Nós não seríamos mais condenados pelas leis de Deus, Ele não mais nos considerava pecadores, e, enfim, nos tornamos qualificados para nos colocar diante de Deus, orar a Ele, confessar nossos pecados, nos arrepender e desfrutar da abundância de graça que Deus nos concedeu. Este é o verdadeiro significado de ter nossos pecados perdoados.

Ter nossos pecados perdoados significa que podemos entrar no reino celestial?
Nossos pecados foram perdoados pelo Senhor e Deus não nos considerava mais pecadores. Isso não significava, no entanto, que estamos livres do pecado e da imundice. Se pensarmos com cuidado sobre isso, embora sejamos capazes de crer no Senhor, trabalhar duro por Ele e pareçamos nos comportar bem, ainda vivemos vidas nas quais pecamos durante o dia e confessamos à noite – nós não nos livramos da corrupção de nossa carne, nem nos libertamos da influência de Satanás.

Para listar apenas alguns exemplos: quando outras pessoas fazem algo que vai contra nossos interesses, nós sempre colocamos tais interesses em primeiro lugar por causa de nossa natureza egoísta e desprezível, e o ódio pode surgir em nós em relação a outras pessoas, e nos tornamos simplesmente incapazes de amar o próximo como a nós mesmos; quando queremos colocar em prática as palavras de Deus e ser pessoas honestas, tentamos sem querer enganar os outros em prol de nossos próprios interesses; sabemos perfeitamente que o Senhor nos pede para sermos humildes e, no entanto, muitas vezes somos arrogantes e orgulhosos, e não ouvimos ninguém; sabemos com perfeição que o Senhor Jesus disse que não podemos servir ao Senhor e ao dinheiro, mas, mesmo assim somos possuídos por riqueza e prazeres materiais, por vezes não fazemos com regularidade nossas orações ou participamos de reuniões, e alguns irmãos e as irmãs até seguem as tendências do mundo e se tornam falsos crentes, que são cristãos apenas no nome. Esses comportamentos não provam que ainda estamos vivendo sob o poder de Satanás e em meio à corrupção e ao pecado? Como poderíamos, cobertos de sujeira como somos, contemplar a face de Deus? Diz a Bíblia: “Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. Ora, o escravo não fica para sempre na casa; o filho fica para sempre” (João 8:34–35). O Senhor fala com clareza neste trecho. Vivemos um ciclo vicioso de pecar e confessar, somos servos do pecado e Deus não nos permitirá entrar em Seu reino.

Como podemos, então, entrar no reino de Deus?
Deus diz: “Sereis santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:16). O livro do Apocalipse 14:5 diz: “E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis.” E Apocalipse 3:18 diz: “Aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas.” Podemos ver nas palavras de Deus e nas profecias do Apocalipse que Deus é santo, e que somente aqueles que são purificados por Ele e que rejeitam toda sujeira e corrupção podem entrar no reino de Deus. Da mesma forma, sabemos que é impossível para nós abandonar a escravidão do pecado simplesmente confiando em nós mesmos. Posso perguntar quem entre nós irmãos e irmãs no Senhor deseja viver em pecado? A julgar pelos nossos próprios desejos pessoais, não há um de nós que queira viver em pecado. E, no entanto, estamos sempre cometendo pecados sem querer, confessando-os e sentindo-nos extremamente aflitos e desamparados. Portanto, se quisermos nos livrar das amarras e restrições do pecado e sermos purificados, precisamos da salvação adicional de Deus.

Através de um exame cuidadoso da Bíblia, vemos que existem profecias em muitos lugares que o Senhor realizará a obra de julgamento nos últimos dias para salvar a humanidade. Por exemplo, na Primeira Epístola de Pedro 4:17 está escrito: “Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus.” Está dito em João 12:47-48: “E, se alguém ouvir as minhas palavras, e não as guardar, eu não o julgo; pois eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. Quem me rejeita, e não recebe as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia.” E em João 16:8: “E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo.” Por essas escrituras, podemos ver que a obra de julgamento começando pela casa de Deus nos últimos dias será feita pelo Senhor Jesus que retornou, e as raízes do pecado e das naturezas pecaminosas que levamos dentro de nós devem passar pelo julgamento e castigo de Deus antes de ser expurgados por completo.

Mas como Deus fará sua obra de julgamento e castigo, e como devemos experimentá-la? A Bíblia não declara com clareza as respostas a essas perguntas, mas o Senhor profetizou há muito tempo: “Quem me rejeita, e não recebe as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia” (João 12:48). “Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora.

Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras” (João 16:12–13). “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Apocalipse 2:11). Através dessas profecias podemos ver que o Senhor ainda tem muitas coisas para nos dizer, e que o Espírito da verdade virá nos últimos dias para nos contar todas as verdades e mistérios, para julgar nossos pecados e nos mostrar o caminho para nos livrar do pecado.

O que devemos fazer neste momento crucial é tomar cuidado para ouvir as palavras ditas por Deus, buscar e estudar a obra de juízo de Deus nos últimos dias, pois somente fazendo isso podemos ser como as virgens prudentes e receber a vinda do Senhor, participar do banquete com Ele, ser purificados por Deus e levados para o reino Dele.

Caros irmãos e irmãs, façamos essa oração ao Senhor:

“Ó Senhor! Eu peço que Tu nos guie e nos torne capazes de ouvir as palavras que Tu declaras e receber Teu retorno nos últimos dias…”

RECOMENDAMOS


O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS