Pesquisa mostra que, entre aqueles que ainda assistem os cultos, 23% viram a transmissão de outra igreja.

Quase metade dos membros de igrejas não assistiu a nenhum culto online nas últimas quatro semanas e, entre os que assistiram, apenas 40% se conectaram aos cultos de sua igreja local, de acordo com uma pesquisa do Barna Group nos Estados Unidos.

O levantamento mostra que 48% dos membros de igrejas afirmam que deixaram de ver os cultos online nas últimas quatro semanas. Dos 52% que assistiram os cultos, 40% viram a transmissão de sua própria igreja e 23% viram os cultos de uma igreja diferente.

“Isso significa que as igrejas que estão crescendo estão atraindo pessoas de igrejas que não estão crescendo”, avaliou em seu blog o pastor Carey Nieuwhof, fundador da Connexus Church em Ontário, no Canadá. “Essa tendência pode estar se acelerando durante a suspensão [dos cultos]”.

Enquanto líderes cristãos pedem que as igrejas sejam reabertas para retomar os cultos presenciais, a pesquisa mostra que nem todo mundo planeja voltar aos bancos.

“Por mais tentador que seja reabrir as portas e acreditar que todos estão voltando, os dados (agora) mostram que provavelmente não é esse o caso”, observou Nieuwhof. “Para começar, o distanciamento social torna impossível salas completas e, até que seja seguro realizar reuniões de massa, não é prudente. Os quartos completos estão a meses de distância, se não mais.

Segundo dados recentes da plataforma Gloo, realizada com milhares de líderes cristãos, não há um consenso sobre qual será o momento “seguro” para se reunir novamente.

Cerca de 21,5% dos pastores dizem que retomariam os cultos presenciais quando os casos de coronavírus diminuíssem; 17% retomariam apenas quando as diretrizes para isolamento social forem aliviadas e 14% retomariam quando as empresas locais forem abertas.

Cerca de 15% exigem que todas as condições citadas sejam cumpridas antes de reabrirem, enquanto 10% não têm certeza do melhor momento para retomar os cultos. Outros 8% observaram que a abertura de restaurantes locais seria um bom sinal para reabrir.

Com base em sua posição de pastor, Nieuwhof aconselha os líderes a se prepararem para uma “decepção emocional” quando verem as igrejas cheias de cadeiras vazias.

“Essa pode ser a realidade ainda por um tempo. Eu acho que muitos líderes estão relutando com a falta de ‘normalidade’ mais do que imaginam. Busque aconselhamento, converse com um amigo, ore e se prepare para um período de interrupção mais longo do que deseja. É o que a liderança exige às vezes”, observou.

Nieuwhof disse ainda que a pandemia de coronavírus acelerou a imersão digital em muitos setores, especialmente nas igrejas, e prevê que “as igrejas que mais crescerão no futuro se tornarão organizações digitais com expressões físicas, não organizações físicas com presença digital”.

“Sei que muitos se opõem a isso, mas é tolice ignorar o fato de que as pessoas se conectam mais facilmente online e admitem a verdade mais rapidamente online do que pessoalmente”, disse Nieuwhof. “Colocar a igreja digital de volta na prateleira é ignorar a maior oportunidade que a igreja tem hoje para alcançar as pessoas”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS