Herschel Walker questionou o fato dos aglomerações serem permitidas em protestos, mas não cultos em igrejas, ou até mesmo ao ar livre.

O vencedor do Troféu Heisman e ex-atleta da Liga de Futebol Americano, Herschel Walker, usou sua conta do Twitter na semana passada para expressar sua desaprovação das restrições às reuniões de adoração que foram implementadas por alguns estados e localidades para mitigar a disseminação do coronavírus.

“Continuamos ouvindo a importância da liberdade de expressão … mas não vamos esquecer que temos a liberdade religiosa”, escreveu Walker em um tweet que acompanha um vídeo de 32 segundos. “Nunca desistam do nosso direito de adorar! Se é permitido protestar nas ruas, podemos voltar à Igreja!”

O homem de 58 anos deu sua opinião sobre o que alguns consideram um padrão duplo da Primeira Emenda. Embora muitos governos estaduais e locais tenham decretado restrições às reuniões de culto durante a pandemia, alguns governantes apoiaram e até se juntaram aos protestos e marchas em andamento após a morte do afro-americano George Floyd sob custódia policial no Dia da Memória.

“As pessoas estão protestando”, disse Walker. “Você sabe, pacífico ou não pacífico. Mas também vi que temos liberdade de religião”.

“Por que não vamos à igreja?”, Ele continuou. “Por que não estamos lutando para ir à igreja? Você sabe, podemos fazer uma ‘igreja pacífica’ do lado de fora. Pense nisso”.

Contexto

Nos últimos meses, enquanto os Estados Unidos enfrentavam bloqueios econômicos e conflitos raciais sem precedentes, Walker se estabeleceu como um forte apoiador do presidente Donald Trump e um crítico severo dos bloqueios do coronavírus e da “cultura do cancelamento”.

Em 23 de maio, o esportista tuitou que “é hora de reformar este bloqueio”.

“Prefiro ficar de pé tentando salvar minha empresa do que ficar de joelhos implorando ao governo por uma esmola”, escreveu ele.

Em um tweet de 3 de julho, Walker também declarou que não quer ver os departamentos de polícia sendo desrespeitados, nem estátuas históricas dos EUA sendo derrubadas.

Walker também defendeu o quarterback do New Orleans Saints, Drew Brees, no início deste ano, depois que Brees foi criticado por dizer que “nunca concordaria com ninguém que desrespeitasse a bandeira dos Estados Unidos da América”.

“Sabe, só porque ele não acredita no que você acredita, por que as pessoas estão chateadas com isso?”, questionou Walker em uma entrevista de rádio com Glenn Beck. “Isso é o que é ótimo na América, é que temos o direito de escolher. E se é assim que ele se sente, está tudo bem que ele se sinta assim”, afirmou.

O ex-jogador do Dallas Cowboys falou sobre seu relacionamento com Trump em uma entrevista para o Atlanta Journal-Constitution no início deste ano.

Enquanto Walker apareceu como um concorrente no antigo reality show de Trump, “The Celebrity Apprentice”, os dois têm uma amizade que remonta a décadas.

“Ah, sim, ainda estamos perto”, disse Walker. “Sempre conversamos. Ele me indicou um pequeno cargo lá em Washington com o conselho do presidente e [com] Saúde e Serviços Humanos. Então, ainda temos um relacionamento muito, muito bom. Mudei um pouco a forma como esse conselho é executado e estou tentando me envolver mais, para que possamos mudar algumas coisas em Washington”.

Walker não é a única figura pública a expressar descontentamento com as restrições aos cultos de adoração que foram implementadas como resultado da pandemia do coronavírus, já que várias igrejas em todo o país entraram com ações judiciais contra as restrições estaduais e locais de reunião.

O evangelista Sean Feucht realizou vários eventos de seu projeto “Let Us Worship” em locais ao ar livre em todo o país, que tiveram a participação de milhares de pessoas. Os eventos são parte de um esforço para permitir um “retorno à simplicidade, ao poder do Evangelho”, pois as restrições do coronavírus significam que “não podemos estar em nossas igrejas”.

Alguns líderes religiosos desafiaram abertamente as restrições aos serviços religiosos, como no caso de John MacArthur e outros pastores da Califórnia optando por realizar cultos de adoração presenciais nos templos, apesar de uma ordem estadual que proíbe essas reuniões.

MacArthur falou sobre “discriminação intencional” por funcionários do governo “contra o cristianismo bíblico e a igreja”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS