Pesquisa Nacional de Vida da Igreja aponta que membros da família são frequentemente lembrados como inspiração para a fé cristã.

A Diretora de Pesquisa da National Church Life Surveys (NCLS), Ruth Powell, acredita que é fundamental para a saúde futura da igreja que os pastores equipem os pais para transmitirem sua fé a seus filhos, pois essa é a principal maneira pela qual as pessoas se tornam cristãs.

“Os membros da família são fundamentais para compartilhar a fé”, disse Ruth em uma conferência recente na qual apresentou os resultados da Pesquisa Nacional de Vida da Igreja de 2016, realizada na Austrália.

“Quando você descobre por que alguém é cristão hoje, quem era o modelo é um membro da família. É a mãe primeiro, seguida pelo pai e [depois] por outros membros da família, muitas vezes avós”, relata a pesquisadora, que explica ainda que os novos convertidos dizem que esses familiares “me mostraram o que era a fé e transmitiram essa fé para mim”.

A pesquisadora australiana foi ao ponto dizendo que “se queremos investir na vida espiritual, a família é a chave.”

Ruth diz que “precisamos praticar, aprender e investir em ajudar as famílias a compartilhar a fé com seus membros, porque é aqui que acontece mais”.

Ela acredita que muitas missões não estão realmente pensando em como prover recursos para as igrejas nesta área.

Diferença de idade

Ruth diz que passar a fé para a próxima geração era fundamental porque havia uma dramática diferença de idade entre a igreja e a comunidade em geral – com cerca de metade dos frequentadores da igreja com mais de 60 anos, em comparação com 26% na comunidade.

Essa diferença de idade seria ainda maior se não fosse pela influência das igrejas pentecostais.

Embora os dados da mais recente NCLS em 2016 mostrem uma desaceleração no declínio da frequência à igreja, com até algum crescimento nas igrejas protestantes, ela alertou que isso provavelmente duraria pouco.

“A notícia difícil é que, com esse perfil de idade, esse platô não vai durar. Nós caímos, ficamos parados por um tempo e – a menos que algo dramático mude – vamos cair de novo “, disse ela.

“Esse é apenas um fator demográfico e é aí que entra a conversa sobre a transição geracional da fé e como passamos o poder para as próximas gerações”, explicou.

Em uma nota positiva, Ruth Powell disse que a igreja australiana enfrentou uma oportunidade incrível de florescer graças ao seu alto índice de igrejas multiculturais.

“Nas igrejas, temos mais pessoas nascidas em um país que não fala inglês do que na comunidade em geral”, disse ela.

Oportunidade

“Acho que essa é uma oportunidade extraordinária para a igreja. Temos talvez a maior proporção de igrejas multiculturais do mundo. Por exemplo, 28% de nossas igrejas são descritas como multiculturais. Quando você compara isso com os EUA, eles têm 14% de igrejas multiculturais. Somos uma expressão altamente multicultural da vida da igreja”, mostra

A pesquisadora disse que o trabalho da NCLS Research revela que, quanto mais multicultural e etnicamente diversa é uma igreja, isso se traduz em uma relação positiva entre fé vital, adoração vital e presença de jovens.

No entanto, Ruth disse haver uma relação negativa entre ser uma igreja multicultural e ter força em conexões vitais entre si.

“O que isso me diz é que se há diversidade étnica ou cultural em uma igreja, se não podemos aproveitar isso, temos que estar mais atentos estrategicamente ao trabalho no relacionamento entre pessoas de diferentes origens culturais em nossas igrejas – porque não somos completamente acertando”, ela disse.

“Precisamos construir relacionamentos dentro de igrejas multiculturais – isso faz parte do futuro quadro saudável da igreja. Temos que ser intencionais e estratégicos e ajudar nossas igrejas a criar comunicação e confiança intercultural e intercultural, e isso fará parte da construção de uma igreja saudável no futuro.

“Se não prestarmos atenção a isso, perderemos esta bela e incrível oportunidade da igreja australiana de ser uma igreja multicultural”.

Powell disse que uma descoberta surpreendente da pesquisa do NCLS foi que o culto é em si uma atividade essencial da missão para alcançar os recém-chegados, em vez de ser apenas para os fiéis.

Ir além

“Eu sei que às vezes pensamos que é para pessoas de dentro e precisamos descobrir como ir além – mas é, na realidade, um ato essencial da igreja”, disse ela.

“O que eu acho que está acontecendo na vida da igreja é que houve um investimento em música, criatividade e estética [dos templos], e você vê as tradições tomando emprestado uma da outra”, disse ela.

Uma área que experimentou uma elevação dramática nos últimos 25 anos é o número de participantes da igreja que se envolvem em pequenos grupos (estudos bíblicos).

“Houve um aumento incrível na proporção de frequentadores de igrejas protestantes em pequenos grupos. O que está acontecendo aqui? Eu acho que foi descoberto que é uma ferramenta incrivelmente útil, uma maneira útil de ser igreja juntos”, disse Ruth.

“Alimenta intimidade, uma chance de conhecer melhor as pessoas. Funciona para indivíduos e eu acho que alimenta pessoas que podem lançar em diferentes níveis educacionais”, disse a pesquisadora, que afirmou ainda que “é um lugar onde você pode discutir e aprofundar a fé.”

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS