Segundo um pastor local, a situação é pior em áreas remotas, onde não há igrejas ou escolas cristãs para ensinar o cristianismo e os alunos são forçados a adotar a religião islâmica.

As esperanças de que o governo de transição no Sudão poderia trazer de volta o cristianismo como disciplina escolar em paralelo ao islamismo perderam força, quando as autoridades omitiram as aulas de educação cristã de um cronograma acadêmico divulgado na semana passada, segundo disseram fontes locais.

Duplamente decepcionados quando uma transmissão de TV sobre as aulas escolares sobre o cristianismo foram omitidas no Canal Internacional da Estação de Televisão do governo de Cartum nesta semana, os pais cristãos suspeitaram que representantes islâmicos dentro do governo de transição tenham influenciado o planejamento do Ministério da Educação do Estado de Cartum.

nica mulher cristã nomeada para o conselho que supervisiona a transição para o governo civil no Sudão, Raja Nicola Eissa Abdel-Masih, disse a um grupo de líderes da igreja sudanesa em uma reunião on-line na terça-feira (16 de junho) que os membros do conselho estavam trabalhando para resolver o problema.

“Estive em comunicação com o subsecretário do Ministério da Educação sobre a remoção da religião cristã do cronograma das disciplinas do Certificado da Escola Básica para o ano de 2020”, disse Abdel-Masih aos líderes da igreja.

Abdel-Masih é uma cristã copta que por muito tempo atuou como juíza no Ministério da Justiça do Sudão. Ela está entre os seis civis nomeados para o Conselho de Soberania de 11 membros em agosto passado. Os cristãos que sofreram sob o regime de Omar al-Bashir, deposto em abril de 2019, esperavam que ela e outros membros do novo governo pudessem contrariar a mentalidade islâmica arraigada na sociedade e política sudanesa.

“Islamização”

O Rev. Yahia Abdelrahim Nalu, da Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão (SPEC), disse que a questão maior é que os alunos cristãos obrigados a estudar a religião islâmica como disciplina escolar são frequentemente forçados a se converter ao islamismo.

“Infelizmente, é isso que está acontecendo. A maioria dos estudantes cristãos se inscreve para aprender a religião islâmica somente para obter o certificado. Mas eles acabam sendo vítimas da islamização”, disse Nalu ao Morning Star News.

A situação é pior em áreas remotas, onde não há igrejas ou escolas cristãs para ensinar o cristianismo e os alunos são forçados a adotar a religião islâmica, disse ele.

O pastor Sami Yousif Rahal, do SPEC, professor no estado de Al-Qadarif, no leste do Sudão, disse na conferência on-line de líderes cristãos da última terça-feira, que mais de 650 estudantes cristãos no estado foram forçados a estudar a religião islâmica.

“Como resultado, a maioria desses estudantes foi forçada a se converter ao islamismo como parte da islamização nos últimos anos”, disse Rahal aos líderes da igreja.

Proibindo efetivamente o ensino do cristianismo nas escolas do governo, impedindo o governo de contratar professores cristãos, Bashir havia deixado instruções sobre o cristianismo para igrejas e escolas cristãs.

A operação escolar aos domingos no Sudão também foi contestada. Em julho de 2017, o governo de Bashir ordenou que todas as escolas cristãs da capital considerassem o domingo um dia útil, mas um Conselho Militar de Transição emitiu uma ordem em 22 de abril de 2019 para restaurar o domingo como um dia oficial de recesso de fim de semana para escolas cristãs em todo o país.

Desconsiderando o domingo como dia de adoração para os cristãos, o Sudão antes mesmo de Bashir agendar exames para as escolas primárias e secundárias aos domingos. Em março, o ministro da Educação do Sudão, Mohamed Al-Amin Al-Toam, disse que o governo consideraria excluir feriados e domingos cristãos ao agendar exames nacionais

Contexto

Após a separação do Sudão do Sul em 2011, Bashir prometeu adotar uma versão mais rígida da Sharia (lei islâmica) e reconhecer apenas a cultura islâmica e o idioma árabe no Sudão. Líderes da igreja disseram que as autoridades sudanesas demoliram ou confiscaram igrejas e limitaram a literatura cristã sob o pretexto de que a maioria dos cristãos deixou o país após a separação.

Em abril de 2013, o então ministro sudanês de Orientação e doações anunciou que não seriam concedidas novas licenças para a construção de novas igrejas no Sudão, citando uma diminuição na população do Sudão do Sul.

Desde 2012, o Sudão expulsou cristãos estrangeiros e destruiu igrejas. Além de invadir livrarias cristãs e prender cristãos, as autoridades ameaçaram matar os cristãos do Sudão do Sul que não os deixaram ou cooperaram com eles em seus esforços para encontrar outros cristãos.

Após a deposição de Bashir, os líderes militares formaram inicialmente um conselho militar para governar o país, mas outras demonstrações os levaram a aceitar um governo de transição de civis e figuras militares, com um governo predominantemente civil a ser eleito democraticamente em três anos. Esperava-se que os cristãos tivessem maior voz sob o novo governo.

O novo governo empossado em 8 de setembro de 2019, liderado pela primeira-ministra Abdalla Hamdok, uma economista, tem a tarefa de governar durante um período de transição de 39 meses. A nova gestão enfrenta os desafios de erradicar a corrupção de longa data e um “estado profundo” islâmico enraizado nos 30 anos de poder de Bashir.

À luz dos avanços na liberdade religiosa desde que Bashir foi deposto em abril, o Departamento de Estado dos EUA anunciou em 20 de dezembro que o Sudão havia sido removido da lista de Países de Preocupação Particular (PCC) que se envolvem ou toleram “sistemática, contínua e egrégia” violações da liberdade religiosa “e foi atualizado para uma lista de observação.

Apesar disso, o Sudão ficou em 7º lugar na lista de observação mundial da Missão Portas Abertas para 2020 sobre os países onde é mais perigoso viver como cristão.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA MORNING STAR NEWS

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS