O ex-apologista muçulmano Abdu Murray explicou que ao evangelizar dentro de culturas como islamismo ou hinduísmo é essencial considerar o berço oriental de Jesus.

Ver Jesus pelos olhos do Oriente e entender a pessoa e o significado do Filho de Deus dentro de Seu próprio contexto cultural é “crítico” para alcançar os muçulmanos com o Evangelho, um auto-descrito “ex-apologista do Islã” aconselha os cristãos no Ocidente.

“As pessoas no Ocidente historicamente tendem a pensar em Jesus como o ícone da religião imperialista ocidental”, disse o autor e apologista cristão Abdu Murray ao The Christian Post. “Infelizmente, os orientais também passaram a pensar em Jesus dessa maneira. Eles associam o cristianismo ou Jesus ao colonialismo e imperialismo”.

“Se os ocidentais entenderem mais sobre o Jesus oriental, eles podem mostrar quem era o Jesus realmente autêntico, que fala uma língua oriental, que entende os problemas deles, que entende o fenômeno cultural com o qual os orientais lidam, sejam eles muçulmanos, hindus ou não”, ele disse.

“O ocidental pode dizer: ‘O Jesus que estou oferecendo a você é o Jesus que se parece com você, que age como você, que entende as coisas pelas quais você passa’. Esse Jesus se torna muito mais atraente. Ele não é um exportador ocidental para o leste; ao contrário, ele é um importador oriental. Falar de Jesus aos orientais de uma maneira autêntica que se relaciona com eles não é apenas útil ao apresentar o Evangelho, é absolutamente essencial”, acrescentou.

Como vice-presidente sênior dos Ministérios Internacionais Ravi Zacharias, Murray sabe muito sobre alcançar os muçulmanos com a verdade do Evangelho. Durante a maior parte de sua vida, o advogado foi um “apologista do Islã”, segundo ele contou Christian Post, descrevendo-se como um homem que era “um muçulmano orgulhoso que acreditava que o Islã era o único caminho”.

Após uma investigação de nove anos sobre os fundamentos históricos, filosóficos e científicos das principais religiões e visões do mundo, Murray chegou à conclusão de que “o Deus do cristianismo era o maior ser possível”.

“Então”, ele disse, “minha busca culminou, e eu percebi que quem eu procurava o tempo todo era o Deus da Bíblia”.

Em colaboração com Zacharias, que já escreveu ou editou mais de 25 livros nas áreas de teologia, apologética, religião comparada e filosofia, Murray está lançando um livro intitulado: “Vendo Jesus do Oriente: um novo olhar sobre a figura mais influente da história”.

Murray disse que o objetivo do livro é duplo: “Queríamos recapturar o sentido do orientalismo fundamental de Jesus e como Ele fala tanto ao oriental quanto ao ocidental”, disse ele. “Queremos que os orientais vejam Jesus como alguém com quem possam se identificar e que os ocidentais vejam que não foi o Ocidente que influenciou o cristianismo. Segundo, queríamos demonstrar como o cristianismo mudou o Ocidente para sempre, introduzindo idéias, obras essenciais e dignidade de todos os seres humanos. Isso mudou a trajetória da história”.

“Assumindo o manto”

A ideia de Ver Jesus do ponto de vista oriental foi lançada originalmente no ministério de Ravi Zacharias pelo ex-apologista muçulmano Nabeel Qureshi, que morreu de câncer no estômago em 2017, antes que o livro pudesse se concretizar.

Mais tarde, Zacarias telefonou para Murray e pediu que ele “assumisse o manto”, disse ele, “por causa de minha formação como ex-muçulmano e alguém com uma herança do Oriente Médio”.

“Fiquei honrado em fazê-lo”, disse ele, acrescentando que o livro é dedicado a Qureshi.

Em seu livro, Zacharias e Murray identificam insights culturais importantes sobre Jesus que os leitores geralmente sentem falta quando o contexto oriental da Bíblia é ignorado.

“Vergonha e honra”

Uma das principais diferenças entre o Oriente e o Ocidente, Murray disse, é a cultura de “vergonha e honra” do primeiro versus a cultura de “culpado ou inocente” do segundo.

“A cultura da vergonha e honra diz que o que você acredita não é apenas uma questão de escolha pessoal; na verdade, afeta a maneira como as outras pessoas vivem suas vidas ”, explicou. “Isso cria uma barreira à crença, porque, mesmo que alguém veja a verdade do Evangelho, eles podem não querer abraçar o Evangelho porque têm pavor de como serão vistos por sua família e comunidade”.

“Em algumas partes do Oriente, você corre o risco de perder sua vida quando muda sua visão de mundo”, enfatizou. “As culturas de vergonha de honra se preocupam com a verdade, mas também se preocupam profundamente com a forma como são percebidas. Se você for percebido com honra, será honrado. Se você é visto com vergonha, é um problema muito sério”.

Murray disse que a Bíblia foi escrita e transmitida principalmente através de uma cultura de honra e vergonha. Ao longo de Seu ministério terrestre, Jesus desafiou essa realidade, enfatizando que a verdadeira honra é concedida por Deus – não pelos seres humanos.

“Toda vez que Jesus vê alguém culturalmente envergonhado, Ele os liberta dessa vergonha”, disse Murray. “O que é tão bonito para as pessoas em um contexto de vergonha de honra é que, embora possam sofrer as vergonhas culturais e sociais de ter fé em Cristo, Jesus substitui as honras temporais que recebemos em nossa cultura pela eterna honra celestial de ser incluído no Reino de Deus. Isso torna Jesus incrivelmente atraente. ”

As culturas orientais também são comunitárias, enquanto as culturas ocidentais são individualistas, disse o autor, acrescentando: “Jesus às vezes interage com as pessoas de maneiras que achamos intrigantes no Ocidente, porque não entendemos os paradigmas em que Jesus viveu”.

“O que foi notável em Jesus é que, embora ele valorizasse a tradição e o coletivo, nunca o fez à custa da dignidade individual”, disse ele. “Quando a dignidade individual de uma pessoa estava sendo pisoteada pelo coletivo, o radar dele subiu. Ele queria ter certeza de que o indivíduo sabia que era valioso aos olhos de Deus, mesmo que o coletivo não pensasse assim. E assim Ele honrou o coletivo, mas também honrou o indivíduo. ”

Em uma sociedade em que o cristianismo costuma ser caracterizado como uma ferramenta religiosa ocidental usada para oprimir e reprimir os orientais, é importante que os cristãos se preocupem com a maneira como os do Oriente veem Jesus e ouvem Seu Evangelho, disse Murray.

Cada página da Bíblia “pinga azeite”, disse ele. “As frases de Jesus e as coisas que Ele faz cheiram a cominho e ao caril do Oriente.”

“Esperamos que os leitores orientais vejam e possam se identificar com Jesus dentro de seu próprio contexto e como Ele se identifica com suas lutas e esperanças”, disse Murray. “Quanto aos ocidentais, gostaríamos que eles vissem que Jesus tem profundidade e riqueza quando entendemos o Seu Oriente que, de outra forma, não perceberíamos se o mantivéssemos na caixa ocidental que criamos para Ele.”

“Se nos permitirmos ver Jesus pelos olhos do Oriente, nós O veremos de uma maneira nova e vibrante”, finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

O Leão de Judá
Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de seus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão. Judá é um leãozinho. (g49:8)

COMENTÁRIOS